terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Decadência

Tá tudo uma merda.

E com essa frase posso resumir como, neste exato momento, encontra-se minha vida e meu estado de espírito. Não quero voltar pra faculdade, não quero sair, não quero ir, nem ao menos quero nada. Simplesmente não quero.

Essa postagem, por exemplo, não queria escrever. As coisas realmente acontecem de forma inesperada. Você vai lá, planeja sua vida, planeja suas ações, planeja até a sua fala. Mas alguém não segue o roteiro, alguém sobre o qual é impossível exercer o controle. Alguém que nem se quer se importa com o que você fez. Com os seus sentimentos então? Muito menos.

Você é só um idiota. E não só porque eles acham isso. Seria simples demais, seria raso. Talvez não fizesse nem sentido, algo bobo. Mas não, você se acha um idiota. Você tem certeza, Não restam dúvidas. Um completo idiota. Sim, porque só um idiota pra fazer as coisas como você faz. Só um idiota pra se preocupar com eles ou suas opiniões. E que tal os sentimentos deles? Com isso você também se preocupou. 

Óbvio, um idiota. Tão, mas tão idiota, que precisou fazer um texto mais idiota ainda, apenas para confirmar algo que já sabia. Pra colocar pra fora toda sua raiva, todo seu ressentimento e rancor. Coisa de idiota. Eles podem ser maus, mas você que deixou eles serem assim com você. Você foi idiota primeiro. Onde já se viu ser educado e tentar agradar a todos? Quem já pensou em ser fraternal e tentar sempre fazer o melhor? É loucura. Não o faça mais. Nunca mais.

Porque daí, você vai sentir tudo de novo. Você vai querer chorar de novo e não vai escorrer uma única lágrima. Não sei o porque dessa bendita dificuldade de chorar. Talvez a vergonha de admitir pra si mesmo que fracassou seja maior do que  o desespero e a decadência inevitável de um espírito estraçalhado que busque reconforto nas lágrimas.

Sabe, eu imaginei que seria diferente. Eu realmente acreditei.Você leu aquele livro espírita. Seguiu seus conselhos e buscou o melhor. Mas não só pra você, pra todos ao seu redor. Mas com algum tempo, esqueceu os ensinamentos, a história, a moral...No lugar entrou a desconfiança. "Porque eles me tratam assim?", "Porque não me convidam?", "Porque?". Você realmente esqueceu muitas coisas.

Entretanto, como diz o ditado, o bom filho a casa torna, e com você, não foi diferente. Leu outro livro. Não espírita. Sem religiões. Sem fundamentos. Sem preconceitos. Apenas um livro de "autoajuda", mas afinal, ajudou? Sim. Você novamente mudou. Buscou e procurou ser melhor. Perdoar, esquecer.

E eles? O que eles fizeram? Nada. Não precisam. Porque precisariam? Sim, pois se precisassem, não agiriam da maneira que agem. Eles não precisam de livros. Nem de terapia. Nem de psicólogo. Você...talvez. Eles não esqueceram nada porque aparentemente, nunca aprenderam. E nem querem.

Não julgo quem está certo ou errado. Não posso. Não devo. E não seria imparcial. Aliás, parcialidade não é lá coisa pra mim. Nem pra você. Você é só um idiota que cometeu erros. 

E sabe de todos qual foi o seu maior erro? Você tentou.


Foto: Filme "O Clube de Leitura de Jane Austen", o qual infelizmente ainda não assisti.

3 comentários:

  1. É sempre assim. Você faz de tudo pra ser gentil e agradar a todos e no final só se decepciona, até por que você percebe que ninguém retribui o eu "bom comportamento".

    O pior é que você não consegue parar. Por mais que você diga que não vai se importar mais com os outros, que não vai mais fazer nada para as personas no gratas de sua vida, você vai lá e faz! =X

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. :///

      Ser bom é um vício que só faz mal.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir